Mau hálito incomoda? Descubra os mitos e verdades

0
211

O assunto não é dos mais agradáveis, mas sejamos francos: quem nunca foi vítima do mau hálito? O distúrbio é normal algumas horas do dia, como no momento de acordar, porém é importante saber diferenciar a halitose fisiológica da patológica.

A boa notícia é que 80% das ocorrências têm origem na boca – e não no estômago -, e uma higienização correta pode ser suficiente para por fim a esse temível inimigo do beijo e das conversas “cara a cara”. Quer saber mais? Então confira abaixo os mitos e verdades que rondam esse assunto quase proibido!

 

Mau hálito e higiene da boca estão relacionados. VERDADE: na maioria dos casos o mau hálito tem origem na própria boca, nas regiões localizadas entre os dentes e na língua. Nesses locais há acúmulo de alimentos e restos de células que descamam do epitélio bucal, sendo um prato cheio para a proliferação de bactérias e fermentação de resíduos.

 

Problemas na gengiva contribuem com a halitose. VERDADE: doenças como gengivite e periodontite são inimigas número um do mau hálito. Vale preveni-las com o uso da escova interdental e do fio dental.

 

O mau hálito vem do estômago. PARCIALMENTE MITO: a halitose proveniente do estômago é uma condição rara. Geralmente quando isso acontece o distúrbio vem junto com vômito, regurgitação e arroto. No caso da gastrite, ela reduz o fluxo salivar, aumentando a possibilidade de formação da saburra lingual, que é um problema bucal.

 

Jejum prolongado altera o hálito. VERDADE: ficar muito tempo sem comer provoca um mecanismo semelhante ao gerado no período de sono: a leve hipoglicemia leva a um menor fluxo salivar e aumento da flora bacteriana.

 

O mau hálito é um problema sem cura. MITO: quase 100% dos casos têm tratamento. Para isso, basta adotar novos hábitos de higiene. A orientação de um cirurgião-dentista também é importante.

 

Balas e chicletes disfarçam a halitose. MITO: eles podem até mascarar o mau hálito por períodos muito curtos, mas também agravam o problema, já que os açúcares servem como fonte de energia para os micro-organismos responsáveis pela halitose.

 

Estresse é uma das causas do mau hálito. VERDADE: o fator emocional pode ter relação direta com a diminuição do fluxo salivar, o que aumenta a descamação das mucosas e diminui a autolimpeza da boca.

 

A alimentação interfere no odor da boca. VERDADE: a halitose pode sim ocorrer de forma transitória com a ingestão de carnes muito gordurosas, frituras e alimentos como alho, cebola, pimentas, repolho, brócolis e couve-flor.

 

Com informações do UOL Notícias.

 

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here