Curiosidades : cirurgia de amígdalas

0
1021

Apesar de ser um dos procedimentos cirúrgicos mais realizados no mundo há décadas, muitos mitos são propagados sobre a cirurgia das amígdalas.

As amígdalas se situam no fundo da garganta de cada lado da úvula (campainha). São feitas de tecido linfoide, um tecido responsável por ajudar o organismo a produzir anticorpos e células de defesa, são uma barreira contra germes. Por isso ficam na boca, que é uma porta de entrada importante de micro-organismos.

Indicações para cirurgia:

Antigamente operavam-se muito mais as amígdalas do que hoje em dia. Com aparecimento de antibióticos mais eficazes e seguros, tornou o controle clínico das infecções das vias aéreas mais eficaz. Entretanto, ainda existem muitas situações em que as amígdalas e adenoides se tornam um sério problema e merecem ser removidas. São elas:

– Abcessos da amígdala.
– Aumento (hipertrofia) das amígdalas causando apneia do sono.
– Respiração bucal causando alterações no crescimento facial e na oclusão dentária.
– Suspeita de tumor maligno da amígdala.
– Roncos noturnos causados por aumento das amígdalas.
– Dificuldade de se alimentar ou deglutir causada por aumento da amígdala.
– Halitose causada pelas amígdalas.
– Alteração da voz por aumento das amígdalas.

Apesar das amígdalas terem um importante papel na imunidade local, elas não são fundamentais, pois não são as únicas estruturas capacitadas para a defesa nessa região. Toda a mucosa pode também exercer o mesmo papel.

As amígdalas apenas exercem suas funções em defesa do sistema respiratório se suas estruturas estiverem preservadas. Se o órgão sofreu muita agressão, como infecções repetidas ou abscessos constantes (pus acumulado), há uma substituição do tecido normal por fibrose (cicatriz) com consequente diminuição de sua capacidade de funcionar normalmente. Nessas circunstâncias, as amígdalas estão presentes, mas não exercem nenhuma atividade positiva, podendo ser extraídas.

Não existe idade ideal para a cirurgia das amígdalas e sim o momento certo dependendo da gravidade do caso. O médico otorrinolaringologista avaliará a história de infecções de repetição ou de respiração oral e o impacto destas sobre o estado geral do paciente. A indicação de cirurgia só pode ser feita após uma rigorosa avaliação clínica, com ajuda de exames endoscópicos ou de imagem que comprovem o prejuízo causado por estas estruturas.

O pós-operatório pode ser um pouco  chato, alguns cuidados devem ser observados para uma boa recuperação :
-Alimentação líquido-pastosa fria ou gelada nos três primeiros dias. Sorvete batido tipo milk-shake, sopa fria, sucos de frutas não cítricas, mingau frio. Após quatro dias alimentos mais consistentes, ainda frios ou mornos, como purê de batata, caldo de feijão, macarrão com molho de tomate, etc. No sétimo dia em diante alimentação normal, contudo deve-se evitar a ingestão de alimentos crocantes ou que possam machucar a garganta ainda em cicatrização, como alguns biscoitos.
-Repouso em casa por 7 dias.
-Esforços físicos mais vigorosos estão proibidos por cerca de 30 dias ou até o cirurgião verificar a completa cicatrização da área.
-Nos três primeiros dias deve-se evitar o contato da escova com a área operada, escovar apenas os dentes da frente. Não gargarejar ou bochechar com força.

Dores na garganta e de ouvido, semelhantes as que ocorrem na amigdalite, são comuns. Conseguimos reduzi-las com analgésicos em doses regulares.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here